Tornar a Primavera memorável

boytree

Começou a Primavera!

Não há melhor altura do ano que esta para sair com as crianças e fazer todas as atividades que não pudemos fazer durante o longo período de hibernação a que estivemos sujeitos, entre gorros, cachecóis e camisolas interiores… A temperatura começa a subir, os dias são maiores, o sol aparece mais vezes, as folhas e as flores começam a despontar… e não são só as crianças que ficam mais ativas. Também nos adultos ficam com vontade de sair do casulo!

A Primavera é a altura ideal para explorar a natureza e descobrir algo que nos surpreenda ou inspire. A nós e às crianças. O sofá da sala, as brincadeiras dentro de casa, a televisão… são facilmente substituídos por corridas lá fora, por andar de bicicleta (uma oportunidade para as crianças mais pequenas aprenderem a andar sem as rodas de apoio), jogar à bola no parque, ou simplesmente, redescobrir os tons de verde.

Realizar atividades ao ar livre e contactar com a natureza, aproxima as crianças da fauna, da flora e cria novos laços emocionais e sociais com o mundo ao redor. Há inúmeras atividades que podemos fazer com elas.

Uma sugestão de uma atividade muito simples é explorar insetos, folhas e flores que encontramos na natureza. As crianças podem ir anotando ou desenhando tudo o que viram: Que insetos encontraram mais? Que árvores viram? São árvores de fruto? Que frutos dão? São mistérios que elas estão a desvendar, como verdadeiros detetives ou exploradores da natureza, podendo desta forma aprender (e tanto!) sobre o mundo que está logo ali, ao abrir a porta da rua.

Ao chegar a casa, as crianças podem dar continuidade às aprendizagens, “enchendo” o frasco de vidro com as imagens que observaram e retiveram durante o dia. Uma joaninha, borboletas, formigas? Flores, folhas, nuvens?

Download de folha com frasco de vidro (para imprimir)

Este tipo de brincadeiras desperta a curiosidade das crianças, que sentem necessidade de fazer perguntas cada vez mais profundas acerca do mundo. Brincar e explorar irá tornar esta Primavera memorável… quase tão memorável como o que as crianças irão aprender com todas as maravilhas que esta estação do ano traz.

Susana Pedro, Professora e Fundadora da Sociedade do Bem

Publicado originalmente em Tribuna Alentejo

Imagem de capa daqui.

 

Anúncios

QUANDO OS FINS DE SEMANA NÃO TÊM FIM!

unnamed_1_3

Finalmente é sexta-feira! Esta é uma frase que, a princípio, todos gostamos de ouvir, a não ser que comecemos a pensar que a sexta-feira é aquele dia que antecede o fim de semana caótico com as crianças todo o dia em casa aos gritos, ou a liderarem a melhor posição no sofá e a tomarem conta da televisão.

As manhãs de sábado que pensámos aproveitar para ficar até mais tarde na cama, subitamente, são interrompidas por uns passinhos que se fazem soar ao longo de um corredor e a nossa cama passa a ter capacidade para acolher um batalhão. E começa mais uma correria de fazer camas, tomar banhos, vestir, preparar os pequenos almoços e toda uma panóplia de tarefas que só conseguimos fazer neste dia, como por exemplo: pôr roupa a lavar, limpar o pó, aspirar a casa, enfim… mil e uma coisas que nos dão imenso prazer!

E quando olhamos para o relógio, que não devia ser uma preocupação neste dia, supostamente dia de descanso, já estamos atrasados na preparação do almoço, sim do almoço pois, por ser fim de semana, também se faz por casa.

E a tarde já lá vem, as limpezas continuam e as crianças, essas, estarão ou a desarrumar qualquer coisa, ou a brigarem porque um quer ver um programa e o outro quer ver outro, ou porque um quer um brinquedo que o outro tem, uma tragédia! Não sei o que é pior! Os gritos deles ou os nossos a gritar com eles – estejam quietos, estejam sossegados, vão ficar de castigo. Ameaças várias que na maioria das vezes não surtem no resultado pretendido – a calma e a tranquilidade de um fim de semana tão desejado.

A noite não tarda e quando damos por nós estamos mais cansados do que num outro dia qualquer da semana, desejosos que os miúdos vão para a cama e que nós, finalmente possamos desfrutar daquele lugar do sofá que em tempos era só nosso, não para ver televisão, mas talvez para adormecer ou “descansar de olhos fechados” como muitas vezes fazemos questão de referir.

Finalmente domingo! Para muitos pais é “O” dia que antecede a tão esperada segunda-feira. É “O” dia em que preparamos o começo de mais uma semana, é “O” dia em que preparamos os bibes, as mochilas, organizamos as roupas, ou seja, é “O” dia que mais uma vez fazemos mil e uma coisas que nos deixam completamente esbaforidos.

Mas será que os fins de semana têm de ser assim? Claro que não! Devemos ver os fins de semana como a verdadeira oportunidade de estar com os nossos filhos, de conhecer os nossos filhos, de passar momentos agradáveis com eles, de descansar um pouco da correria semanal. Como? Simples! Experimente as dicas que aqui lhe deixo:

. coloque a roupa para lavar sexta-feira à noite e estenda-a (será um esforço extra, mas vai ver que compensa);

. a limpeza da casa pode ser distribuída pelos dias da semana, por exemplo – segunda-feira limpa a sala, terça-feira a cozinha, quarta-feira limpa os quartos, vais ver que não lhe custa tanto a si e ao sábado de manhã não terá de correr quase meia maratona para fazer todas estas tarefas.

Fazendo só isto vai ver que o seu fim de semana será muito mais tranquilo e prazeroso. E como usufruir de um fim de semana tranquilo em família? Há inúmeras coisas que pode fazer para se divertir com os mais novos. Veja o que lhe sugiro:

  • Se o tempo estiver agradável aproveite para sair de casa de manhã com as crianças, pode dar um passeio num parque local e, até aproveitar e almoçar por lá, faça um piquenique, os seus filhos vão certamente adorar a ideia;
  • Apanhem folhas caídas para fazer uma colagem, fica muito giro na decoração da casa e é económico;
  • Aproveitem a tarde para fazer uma visita de interesse cultural, visite a sua cidade como se nunca lá estivesse estado, como se fosse um turista e vai ficar surpreendido com o que vai descobrir;
  • É tempo de castanhas, compre castanhas e saboreiem-nas juntos;
  • Visitem um museu ou uma exposição local;
  • Visitem uma biblioteca e aqui até poderá requisitar um livro para ler em casa com os seus filhos;
  • Experimentem um meio de transporte diferente, um passeio de barco, um passeio de comboio ou até mesmo um passeio num autocarro panorâmico, vão fazer certamente sucesso junto dos mais novos;
  • Poderá optar por fazer uma sessão de cinema em casa com direito a pipocas;
  • Faça um bolo com os seus filhos, eles vão gostar de pesar os ingredientes e de misturá-los;
  • Monte um puzzle com os pequenos, ou faça um jogo que eles tenham escolhido;
  • A preparação do jantar pode ser feita em conjunto, diga aos seus filhos que se trata de um jantar especial, em que precisará da ajuda deles. Coloque uma toalha diferente, peça-lhes ajuda para pôr a mesa, vão gostar de ajudar e não fará tudo sozinha;
  • Ao deitar pode ler-lhes uma história;

Como vê há inúmeras coisas que pode fazer em família sem qualquer tipo de custo. O tempo em família é tão pouco que o devemos aproveitar da melhor maneira.

Vanessa Chinelo, Professora e colaboradora na Sociedade do Bem

Publicado originalmente em Tribuna Alentejo

 Imagem: www.heidichowenphotography.com

COMO SE CONSTRÓI UM CORAÇÃO

Não pode haver maior dom do que o de dar o próprio tempo e energia para ajudar os outros, sem esperar nada em troca.” – Nelson Mandela

Não foi há assim tanto tempo mas parece que foi.

Foi em abril que demos início ao nosso primeiro programa, numa turma de 2.º ano, com crianças entre os 7 e os 8 anos… Todos os focos estavam virados para aquele grupo de crianças e durante semanas planeámos ao detalhe as atividades e festejámos de cada vez que alguma criança dizia uma frase como: “A escola seria só paz e sossego se todos nos soubéssemos colocar no lugar dos outros…” Com elas rimos, com elas chorámos… e com elas aprendemos. Mais do que imaginámos ao princípio.

Quando convidámos o nosso primeiro Heartbuilder não sabíamos que tipo de atividade prática iria ele propor desenvolver. Foi após o primeiro contacto com as crianças que ele me perguntou: “E se estas crianças fizessem uma atividade em que pudessem perceber como é simples tornar a vida de alguém mais especial? Que quando tornamos a vida dos outros um pouco mais feliz, ficamos um pouco mais felizes também?”

Daí até desafiarmos as crianças a criarem um postal para enviarem a quem gostassem de ver um pouco mais feliz foi um passo: a avó que mora sozinha, o tio que está no hospital, a amiga que foi morar para outro país… E foram todos, em segredo – para não estragar a surpresa -, com uma grande missão: descobrir a morada onde o envelope com imagens de esperança e palavras de carinho, seria entregue.

Foi na volta do correio que chegaram as respostas que no último dia de aulas entregámos às crianças, em mão, num envelope fechado. E eram palavras de saudade que lá vinham. E eram fotografias de momentos felizes. E lembranças de tempos passados e desejos para o futuro. E eram olhos pequeninos que brilhavam enquanto todos percebiam, agora na pele, que era verdade: que pequenos gestos podem levar a grandes alegrias, principalmente quando não se espera nada em troca!

Partilho com todos os que seguem, atentos, o nosso projeto e as nossas atividades, algumas palavras e algumas imagens que por si só mostram bem “como se constrói um coração”, terminando com um especial agradecimento ao primeiro Heartbuilder da Sociedade do Bem, o Henrique Sim-Sim, que deu o melhor de si a todas estas crianças.

Olá amor.

Gostei do teu postal.

Tu sabes que eu te amo muito, és o meu príncipe.

Vai esta surpresa.

Sei que vais gostar, a fotografia tua com a prima quando eram pequenos.

Sei que a vais guardar bem.

Beijinhos meu amor.

Até às férias.

Avó Ana.

Susana Pedro, professora e fundadora da Sociedade do Bem

Publicado originalmente em Tribuna Alentejo

Imagem: Sociedade do Bem